Notice: Undefined variable: script_url in /home/master/public_html/nossoamiguinho/wp-content/plugins/flipbook-plugin/flipbook.php on line 70
Vitórias e derrotas | Nosso Amiguinho
    • Quando foi a última vez que você comprou um livro para o seu filho? Não deixe para depois! Visite nossa seção de l… https://t.co/Jpi7tNDEmW

      Apr 18, 2019

Vitórias e derrotas

– Ganhei! Uhu! Finalmente venci você, Heitor – disse Pedro, eufórico.

O Heitor foi dormir na casa do Pedro e fizeram um campeonato de video game. O Heitor era muito bom e havia vencido praticamente todas as partidas; por isso, Pedro comemorou tanto.

– Vamos fazer um lanche, amigão – convidou Pedro.

Mas o Heitor estava muito contrariado. Os olhos estavam fixos na tela da televisão.

– Vamos jogar mais uma partida – sugeriu sem tirar os olhos da tela.

– Ah, Heitor, relaxe! É só uma brincadeira, um jogo. Vamos lanchar. Se você quiser, não conto para ninguém que você perdeu.

O rosto do Heitor se contraiu:

– Perder? Eu deixei você ganhar. Eu… Eu… Eu não perco nunca!

Pedro entendeu o tamanho da contrariedade do amigo. Nos últimos tempos, Heitor estava assim: competitivo e não aceitava perder de jeito nenhum.

Na escola, ele queria ser o primeiro a terminar de copiar, queria ser o primeiro a entregar o trabalho, a melhor redação tinha que ser a dele.

Mas a pior parte era jogar futebol com o Heitor. Ninguém podia perder um pênalti ou errar um gol. Se o goleiro perdesse um golzinho que fosse, ele não perdoava:

– É isso que dá jogar com amadores – dizia e saía chutando o vento.

Pedro tentou dar uma lição:

– Perder sim! Ninguém é bom em tudo o tempo todo, Heitor.

Mas o amigo, antes bem-humorado e brincalhão, decretou:

– Vamos dormir. Estou sem fome.

Pedro queria ajudar o amigo a entender como toda aquela competitividade estava atrapalhando o relacionamento dele com todos.

O tempo foi passando e o verbo “perder” fazia o Heitor sair do sério.

– Você perdeu a hora, filho – e ele esbravejava com a mãe.

Se alguém dissesse “Ora, Heitor! Você tem perdido a paciência com muita facilidade”, ouvia poucas e boas.

– Filhão, você perdeu a chave de casa outra vez?…

Bom, com o pai, Heitor pegava leve.

Tudo começou a mudar em uma tarde chuvosa. Heitor olhava pela janela, chateado por não poder sair para brincar. Seu pai convidou:

– Que tal uma partida de dominó?

– Opa! É comigo mesmo – Heitor pulou do sofá.

Ora Heitor ganhava uma partida, ora perdia. Mas, de repente, o pai começou a vencer todas.

– Ah, pai! O que o senhor está fazendo é covardia.

O pai do Heitor sorriu mostrando os enormes dentes brancos.

– Você diz isso porque está perdendo. Mas, se estivesse ganhando, não iria achar nada injusto um jovenzinho vencendo disparado de um velho jogador.

– Perdendo! Que insistência! –Heitor estava com os punhos cerrados, olhos cheios de lágrimas.

O sábio pai de Heitor o puxou pelo braço e deu um abraço apertado no filho. O menino chorou.

– Olha só! Sou muito mais experiente. Jogo esse jogo há muito mais tempo e queria ensinar uma coisa para você: quando a gente vive como se tudo fosse uma gincana, por mais que se vença, a gente sempre perde.

Heitor enxugou os olhos:

– Como assim? Ganhar é sempre bom!

– É verdade! A sensação de vencer é sempre boa. Mas, entre vitórias e derrotas, a gente faz muita coisa interessante, além de jogar. Você é um campeão, meu filho. Mas tem perdido muito.

– Papai, eu não perdi nada. A não ser essas partidas de dominó com o senhor.

– Sim, você está pensando nos jogos. Mas eu estou falando de outra coisa. Estou falando de tempo com os amigos, de jogar futebol no campinho sem compromisso com a vitória. Você está entendendo, filho? Você tem vencido muitas partidas, tem sido o primeiro em muitas coisas. Mas, no intervalo, você tem perdido.

O menino baixou os olhos, dizendo:

– É verdade!

– Campeão nem sempre é aquele que vence. O vitorioso mesmo é aquele que joga com alegria – arrematou o pai.

Como um raio, Heitor já estava de chuteiras. Beijou o rosto do pai e gritou do portão:

– Obrigado, papai! Vou aproveitar que a chuva passou e tentar consertar as coisas.

Já estava quase escurecendo quando o pai do Heitor teve que ir ao campinho. Olhando de longe, viu seu filho campeão, correndo pra lá e pra cá, sorrindo e se divertindo.

– Heitooooor! Hora de ir pra casa!

O garoto veio gargalhando, todo suado.

– Sua mãe está preocupada. Você perdeu a hora?

O Heitor sorriu:

– Sim, papai! Mas só perdi a hora! Ganhei um fim de tarde inteiro cheio de risos e diversão.

Pai e filho saíram de mãos dadas, vitoriosos.

Texto: Vanessa Meira
Ilustração: Ilustra Cartoon


Notice: get_currentuserinfo está obsoleto desde a versão 4.5.0! Use wp_get_current_user() em seu lugar. in /home/master/public_html/nossoamiguinho/wp-includes/functions.php on line 3831