Superpoderes | Nosso Amiguinho
    • Sua revista de junho já chegou? Está gostando das novidades? Conte pra gente! https://t.co/RzQ3EQUKtU

      Jun 05, 2018

Superpoderes

Fazia dias que Diego estava aborrecido. Ele olhava para toda sua família e todos tinham superpoderes, menos ele. O que teria acontecido? Será que ele não era daquela família? Ele já estava ficando desconfiado disso.

O pai tinha uma descomunal força para abrir os mais desafiadores potes de azeitona. Ele também era capaz de carregar pacotes e mais pacotes das compras da mamãe. Não, Diego não tinha essa força toda.

Quanto à mãe, com seu poder de se multiplicar, ela dava conta de trabalhar fora e ainda fazer todas as tarefas da casa: arrumar, lavar, passar, cozinhar, limpar, varrer… Mas Diego também não tinha herdado esse poder!

O avô podia viajar no tempo. Com seu poder, ele se lembrava de incríveis coisas do passado. Era fantástico!

A avó tinha muita agilidade para resolver situações complicadas. E, por isso, ela própria já havia protegido Diego de entrar em grandes confusões.

Diana, a irmã mais velha, era dotada de um impressionante poder que a ajudava a ganhar medalhas. Ela corria, e parecia mais rápida do que a velocidade da luz.

Até o irmão caçula, o Dioguinho, tinha superpoderes. O dele era o da invisibilidade. De vez em quando, ele desaparecia; e acabava sendo encontrado tempos depois dentro dos armários, revirando o que encontrasse pela frente.

– O que foi, filho? – perguntou a mãe, vendo Diego acabrunhado no sofá.

O garoto revelou sua angústia. Quais eram seus superpoderes? Ele não tinha nenhum?

– Não, filho! Você tem muitos poderes – tranquilizou-o a mãe. – Só não está conseguindo identificá-los.

O menino levou um susto!

– Então quais são? – ele quis saber.

A mãe puxou um pufe e sentou-se diante do garoto.

– Você se lembra da Dona Filó e o Seu Plínio? Estiveram outro dia aqui em casa e trouxeram seu bolo preferido. Você se lembra por que eles fizeram isso?

– Eles falaram algo, mas eu já me esqueci.

– Eles disseram que estavam encantados com sua forma de tratá-los. Nem todo mundo trata os idosos com carinho e respeito. Infelizmente, nem todos dizem “com licença”, “por favor”, “obrigado” e “me desculpe”. Mas eles o elogiaram, porque você faz tudo isso, e é muito gentil com eles.

– Isso não tem nada que ver com poderes, mãe – argumentou Diego.

– Como não? Você foi supereducado!

O garoto deu um sorrisinho.

– E você se lembra qual foi sua nota em matemática neste bimestre?

– 9,5!

– E em Português?

– 10!

– Você se lembra quanto tirou em História?

– 9!

– E você foi bem em outras matérias também. Sabe por quê? Porque você é superestudioso! Seu pai e eu ficamos muito felizes com isso!

Diego baixou os olhos, meio envergonhado, mas muito contente por ter seu esforço reconhecido.

– O que aconteceu no último domingo aqui em casa? Você lembra? – perguntou a mãe.

– A gente assistiu a um filme!

– Quem assistiu?

– O Marcos, o Paulinho, o Maurício e o Roberto.

– Vocês sempre foram muito amigos, não é verdade?

Rindo, o garoto se lembrou de várias aventuras que os cinco tinham vivido juntos.

– Somos mesmo! Já passamos por muita coisa juntos… É bom ter amigos!

– Você tem uma porção de amigos porque você é superlegal!

De repente, Diego entendeu onde a mãe queria chegar… e sorriu!

Ele abraçou a mãe! Não estava mais aborrecido. Agora, Diego estava feliz! Havia descoberto que também tinha muitos superpoderes, que ele decidiu usar sempre que tivesse oportunidade.

Texto: Sueli Ferreira de Oliveira