Pedro, Pedrinho | Nosso Amiguinho
    • Quando foi a última vez que você comprou um livro para o seu filho? Não deixe para depois! Visite nossa seção de l… https://t.co/Jpi7tNDEmW

      Apr 18, 2019

Pedro, Pedrinho

– Vamos lá, Felipe! Entregue logo a tinta pra ele – dizia Elisa.

Insatisfeito, Felipe entregou a tinta para o menino bochechudo e sardento. Era melhor assim! Pedrinho já estava começando a ficar vermelho. Esse era o primeiro sinal de transformação. Pedrinho, o menino engraçado e brincalhão, aos poucos se transformava num feroz animal da selva africana. Bastava ser contrariado.

Quando estava no segundo ano, jogou para o alto um estojo com lápis, borracha, apontador e tesoura para o alto, gritando e empurrando todos os colegas que estavam por perto. O pior é que ele nem se lembra do motivo, de tão bobo que era.

Pedrinho era um menino extrovertido, que gostava de brincar com o nome dos amigos, pondo apelido em todos; a turma se divertia. Mas, quando alguém resolvia pôr um apelido nele, era melhor sair de perto… Sobravam sopapos e pontapés.

Depois da “transformação” (era assim que todos chamavam aquelas crises de fúria), Pedrinho fingia que nada tinha acontecido. E a turma também. Ninguém tocava no assunto, até que, um dia, faltavam dez minutos para o fim da aula e a professora deu o aviso sorrindo:

– Queridos, podem guardar o material. Vamos orar. Vou deixar vocês saírem um pouquinho mais cedo para brincar lá fora.

Foi a maior festa! Todos se amontoaram na porta da sala, loucos para correr para o pátio da escola. A professora abriu a porta e se despediu de cada um com um beijo na testa. Na vez de Pedrinho:

– Espere só um pouquinho. Pode se sentar. Preciso falar com você.

Em poucos minutos, só restavam a professora Nina e o Pedrinho, frente a frente.

– Quero contar a você uma história da Bíblia. Sei que você gosta das histórias bíblicas que eu conto nas aulas de religião.

– Tem luta? Gosto do Velho Testamento por causa das guerras.

A professora sorriu e continuou:

– Jesus tinha um amigo muito especial. Eles eram tão amigos que, um dia, quando Jesus contou que seria preso e iria morrer numa cruz para salvar o mundo inteiro, esse amigo dEle ficou bravo e disse que isso não aconteceria de jeito nenhum.

– Mas, se era profecia, tinha que se cumprir, não é, professora? Tudo o que Deus fala se cumpre.

Pedrinho estava prestando atenção. Ele realmente gostava de ouvir histórias.

– Então… Mas, exatamente no dia em que os soldados foram prender Jesus, esse amigo puxou a espada e, zupt!, cortou a orelha de um soldado. Olhe que loucura!

Pedrinho soltou uma gargalhada.

– Que maluco, professora! Cortar a orelha do soldado… Onde já se viu?

A professora percebeu que Pedrinho estava entendendo a história e continuou:

– Ainda bem que Jesus, logo depois de dar uma bronca em Seu amigo, colocou a orelha do soldado no lugar. Esse amigo de Jesus era um dos discípulos. Você sabe qual deles era?

Pedrinho, em dúvida, confessou:

– Ah, professora. Ainda não consegui decorar os nomes dos discípulos. Na verdade, a única lista de nomes que sei de cor é a da seleção brasileira de futebol. É meu esporte favorito.

– Não tem problema. Eu lhe conto. Ele era sincero, o problema é que também era impulsivo; falava o que vinha à mente. Primeiro, sacava a espada, para depois pensar no que havia feito. Ainda não tinha aprendido a se controlar.

– É… Eu me lembro bem dessa aula sobre se controlar. Acho que é o mesmo que domínio próprio. Senti vergonha por causa do meu temperamento.

– Sim. E é por isso que estou contando a você a história de Pedro.

– Pedro? – o menino deu um pulo da cadeira.

– Exatamente! Você e o discípulo de Jesus têm muito em comum. Inclusive o nome.

– Ah… Mas eu nunca cortei a orelha de ninguém… E nem tenho uma espada – Pedrinho arriscou uma piadinha.

– Mas algumas atitudes ferem tanto quanto uma espada afiada – retrucou a professora Nina com voz grave.

Pedrinho saiu da sala pensando na história, na espada, nos últimos empurrões e gritos. Entrou no carro da mãe e foi recebido com um beijo.

Naquela noite, ele demorou a dormir.

No dia seguinte, a primeira aula era de religião. E a professora Nina começou a contar a história de um discípulo incrível; seu nome era Pedro: um homem corajoso, cheio de energia, que andou sobre as águas e fez grandes coisas em nome de Jesus.

Pedrinho ficou confuso. Não parecia o mesmo da história do dia anterior. E, no fim da aula, cochichou para a professora:

– Esse não parece o mesmo discípulo de ontem, aquele bem maluco que cortou a orelha de um soldado.

A professora fez aquela cara de quem acabou de acertar um número no bingo.

– É isso aí, Pedrinho! Ele se tornou um novo homem. Um milagre muito especial, chamado conversão, aconteceu com ele. Mudou a rota da vida. Deixou que Deus mostrasse a ele o que dizer, o que fazer, o que falar…

Naquele dia, o menino sardento se esforçou ao máximo para continuar divertido e engraçado. Afinal, era assim que todos gostavam dele. E, quando um colega passou correndo e puxou o boné de Pedrinho, ele parou e pensou: conversão.

A vontade de ir atrás do colega e agir com violência passou. Então Pedrinho correu sorrindo, tentando alcançar seu boné.

Texto: Vanessa Raquel
Ilustração: Ilustra Cartoon