O dia do brinquedo | Nosso Amiguinho
    • Quando foi a última vez que você comprou um livro para o seu filho? Não deixe para depois! Visite nossa seção de l… https://t.co/Jpi7tNDEmW

      Apr 18, 2019

O dia do brinquedo

Evandro sentia um misto de euforia e vergonha no Dia do Brinquedo. Neste dia, todas as crianças da classe traziam para a escola seu brinquedo preferido e, então, todos brincavam juntos, com os brinquedos uns dos outros. Evandro ficava todo animado, pois brincaria com coisas diferentes. Porém, tentava esconder seu próprio brinquedo para que ninguém visse.

Sendo de uma família muito simples, Evandro raramente ganhava brinquedos. Sabendo disto, o avô Lourival o presenteava com carros, caminhões e até bonecos de madeira. Brincar em casa era divertido, mas o garoto sempre tinha receio de que os amigos fizessem alguma piadinha por só trazer artesanato e não um daqueles belos e brilhantes brinquedos que passavam na televisão.

Finalmente, o Dia do Brinquedo chegou. Assim que a professora anunciou a hora da brincadeira, os alunos tiraram da mochila o equipamento de diversão. Evandro aproveitou o alvoroço e depositou no meio dos diversos brinquedos um carrinho artesanal, feito pelas mãos habilidosas de seu avô.

Logo, Evandro encontrou um boneco de astronauta. Não podia acreditar que teria a chance de brincar com aquele brinquedo que piscava luzes e até falava. O garoto, que sempre quis ter um daqueles bonecos, viajou na brincadeira e nunca antes o Dia do Brinquedo passou tão rápido.

Quando a professora anunciou que estava na hora de se arrumarem para a saída, foi aquele tumulto: a criançada correndo, cada um pegando seu brinquedo e colocando dentro das bolsas.

Ao chegar em casa, Evandro teve uma surpresa: alguém havia colocado dentro da mochila o boneco do astronauta e, certamente, esse alguém levara seu carrinho de madeira enganado.

Com o brinquedo nas mãos, Evandro pensou: “Ninguém jamais suspeitará de que eu o peguei.”Porém, essa ideia foi confrontada com a voz de sua consciência. Aquilo seria como roubar alguém. Mas Evandro queria muito ter o brinquedo e sabia que não teria condições de comprar um… O que fazer?

O garoto não conseguiu brincar com o boneco naquela noite e dormiu pensando se o devolveria ou não para o verdadeiro dono.

No dia seguinte, Evandro caminhou para a escola. O astronauta ia dentro da mochila, pois ele já tinha tomado a decisão de devolvê-lo.

Porém, ao chegar no portão, um amigo chamado Vítor o parou, dizendo que, no dia anterior, por engano, ficou com o caminhão artesanal. O pai de Vítor interrompeu a conversa e disse para Evandro que era colecionador de brinquedos de madeira e que, fascinado com o carrinho, queria comprá-lo.

– Não posso vendê-lo – disse Evandro e, depois de pensar um pouco, falou: – Mas ficaria contente se o senhor o aceitasse como presente.

O homem aceitou de imediato e Evandro comentou que também levou um brinquedo errado para casa.

– Esse boneco é meu – disse Vítor ao ver o astronauta nas mãos do amigo. – Ou melhor, agora é seu, pois eu também quero dá-lo de presente a você.

Quase sem acreditar no desfecho daquela situação, Evandro agradeceu o colega e se surpreendeu quando, nas semanas seguintes, brinquedo artesanal virou mania no Dia do Brinquedo.

Texto: Denis Cruz