Arquivos História | Nosso Amiguinho
    • Quando foi a última vez que você comprou um livro para o seu filho? Não deixe para depois! Visite nossa seção de l… https://t.co/Jpi7tNDEmW

      Apr 18, 2019

Categoria: História

Salvos por um guarda-chuva
Salvos por um guarda-chuva

Você tem coragem de fazer a coisa certa?

O menino que queria voar
O menino que queria voar

Uma história que mostra que sonhos podem se tornar realidade.

Pedro, Pedrinho
Pedro, Pedrinho

Você também pode ser uma nova pessoa!

O menino-coruja
O menino-coruja

Você gosta de dormir tarde?

Uma flor diferente
Uma flor diferente

Quando o amor é demonstrado, mesmo em pequenos gestos, alegra tanto as pessoas, que pode até curar!

Uma descoberta inesperada
Uma descoberta inesperada

Curiosidade é algo muito bom e nos ajuda a fazer muitas descobertas, mas é preciso ter cuidado para não machucar a si mesmo ou aos outros.

Presente de Natal
Presente de Natal

O dia estava nublado e triste. Carlos e Ana estavam desolados sem ter o que fazer, quando a tia Ivone chegou:

– Olá, crianças, tudo bem?

– Mais ou menos – resmungou Ana. – Já estamos cansados de ficar dentro de casa sem nada pra fazer.

– É justamente por isso que estou aqui – disse a tia. – Como o tio Jorge precisou viajar com urgência, vim convidá-los para me acompanhar à festa de Natal da empresa em que trabalho. Que tal?

– Que maravilha! Mal posso esperar para ganhar presentes de Natal… – exclamou Carlos.

– Hum, tem um pequeno detalhe – disse a tia. – Os presentes são apenas para os filhos dos funcionários da empresa e, infelizmente, vocês dois não estão incluídos.

– Não tem problema. Mesmo assim, gostaria de ir – Carlos concordou.

– Eu também. O importante é a diversão, não é mesmo? – disse Ana, animada.

Carlos e Ana trocaram de roupa rapidamente e se dirigiram com a tia ao lugar em que aconteceria a grande festa. Ao longe, já podiam ouvir as músicas natalinas e as crianças animadas gritando e correndo por todos
os lados.

Sem perder tempo, eles desceram do carro eufóricos. Queriam aproveitar cada momento. Juntaram-se às outras crianças, correram, brincaram, andaram de charrete, de trenzinho e também comeram muita coisa gostosa.

De repente, o alvoroço ficou maior, a música mais alta e a criançada correndo ainda mais rápido… Chegara o momento da entrega dos presentes!

Todos já haviam recebido com antecedência um cupom que dava direito a um brinquedo, menos Carlos e Ana. Os irmãos ficaram um pouco de lado, observando a alegria das outras crianças quando recebiam seus presentes. Como eles gostariam de ganhar também! Carlos estava sonhando com uma bola de futebol e sua irmã, com uma boneca.

Foi então que uma senhora se aproximou de Carlos:

– Você não vai retirar seu presente? – perguntou a mulher.

– Esses presentes são apenas para os filhos dos funcionários – lamentou Carlos.

– Sou uma das organizadoras da festa e tenho aqui um cupom pra você. Pode retirar seu presente – disse
a senhora entregando um cupom a Carlos.

O menino agradeceu e rapidamente trocou o cupom pela tão sonhada bola.

– Ana, olha só a bola que ganhei – Carlos exibiu seu presente ainda no plástico.

– É muito bonita, Carlos. Como você conseguiu? – perguntou Ana.

– Uma senhora me entregou um cupom – respondeu Carlos.

– Ah…

De repente, a alegria do menino se transformou em tristeza. Ele sabia que Ana queria ganhar uma boneca, mas não tivera a mesma sorte que ele. Comovido, voltou ao posto de troca e trocou a bola por uma boneca.

A menina ficou muito comovida com a atitude do irmão. Ele estava abrindo mão do seu sonho só para
vê-la feliz.

– Carlos, seu gesto foi muito bonito – disse Ana. Jamais vou esquecer o que você fez por mim.

Carlos sorriu e logo voltaram a brincar.

Tia Ivone, que assistia a tudo de longe, ficou muito orgulhosa da atitude do sobrinho e resolver fazer algo a respeito. Saiu à procura dos responsáveis pela festa, contou o que havia acontecido e conseguiu outro cupom.

Agora, a felicidade estava completa. Carlos estava com uma bola nova e Ana com a boneca dos seus sonhos. Aquele tinha sido um dia cheio de aventuras, um Natal do qual Carlos e Ana lembram até hoje.

Até logo, vovó!
Até logo, vovó!

Tati sentou-se quieta no canto da sala. Aquele era um dia muito triste: sua avó havia falecido.

– Por que a vovó morreu? – a menina perguntou ao pai.

Normalmente, seu pai explicaria tim-tim por tim-tim o que havia acontecido. Mas, desta vez, ele apenas a pegou no colo sem dizer nada.

A casa estava cheia de visitas. Os adultos cochichavam, abraçavam-se, choravam. Tati observava tudo sem entender direito o que estava acontecendo. Aonde a vovó foi? Não irá voltar nunca mais?

Quando a garota já estava ficando cansada de tantas perguntas, apareceu o tio Rodolfo, irmão de sua mãe. Até ele, que sempre fora tão sorridente, estava com o ar triste.

– Minha sobrinha favorita! – o tio Rodolfo puxou papo. – Posso saber em que a senhorita está pensando?

– Nada não, tio – Tati respondeu olhando para o teto. – Só queria entender…

– Entender o quê?

– Ah, um monte de coisa!

– Que tal perguntar para o seu tio favorito? Talvez ele possa dar uma mãozinha.

Tati deu seu primeiro sorriso daquele dia. O tio Rodolfo era realmente o seu favorito.
É, quem sabe ele poderia ajudar.

– Bom, tio. Eu queria entender melhor o que é a morte. A vovó morreu, certo? Mas… o que isso realmente quer dizer?

– Quer dizer, Tati, que ela deixou de respirar, de viver.

– Como assim?

  A morte é o fim da vida. Para a sua avó, hoje foi o último dia, como o fim de um filme.

– E para onde ela foi? Ela está no céu?

– Não, querida. Ela foi colocada em uma grande caixa de madeira, que será enterrada mais tarde.

– Mas, tio, a vovó não gosta de lugares fechados! Ela não pode ficar trancada em uma caixa. Temos que fazer alguma coisa! – Tati se levantou com um pulo.

– Não, querida. A vovó não pode sentir mais nada.

– Ah, tio Rodolfo… Por que a vovó morreu? – a menina começou a chorar.

– Tati, nós nascemos, crescemos, vivemos e, então, morremos. Acontece com todo mundo.

– Mas não devia ser assim! Eu nunca mais vou ver a vovó… – Tati chorou ainda mais.

– É, meu anjo, eu concordo com você. Não devia ser assim. Mas, infelizmente, a morte existe em nosso mundo – o tio abraçou a sobrinha e também chorou um pouco.

Silêncio.

  A boa notícia é que um dia isso vai acabar… – o Tio Rodolfo recomeçou.

– Vai acabar? – Tati ergueu os olhos.

– Vai, sim, Tati, eu acredito que a morte vai acabar, sim.

– E quando vai ser isso, tio?

– Quando Jesus voltar. Neste dia, todas as pessoas que já morreram vão viver novamente.

– Então, vou ver a vovó de novo… – a cabecinha de Tati estava a mil. – É verdade, tio Rodolfo?

– É, sim! A gente tem essa esperança. Jesus é poderoso e prometeu que viveríamos para sempre!

– Ah, que bom, que bom! Não vejo a hora disso acontecer…

– Eu também aguardo ansiosamente, querida. Será um dia maravilhoso!

Tati e tio Rodolfo se abraçaram novamente. Agora, em vez de só tristeza, o coração deles também se encheu de uma misturinha de fé e esperança.

Dinheiro para um celular
Dinheiro para um celular

Gabriela e Marcela. Duas irmãs e um só desejo, que os pais não podiam atender: ambas queriam o mais moderno celular que havia sido lançado.

Depois de ouvir mais uma vez que as filhas queriam aquele aparelho de presente, o pai teve uma ideia:

– Vocês sempre ganham algum dinheiro dos tios, dos avós ou até mesmo da mamãe e de mim. Por que não guardam esse dinheiro para vocês mesmas comprarem um celular desses?

A ideia não parecia muito interessante. Como elas poderiam juntar tanto dinheiro, se ganhavam uma mixaria aqui e outra ali?

– Acreditem, se juntarem todo o dinheiro que ganham, com o tempo, terão dinheiro suficiente para comprar o aparelho – garantiu o pai.

Sem alternativa, Gabriela e Marcela resolveram aceitar a sugestão. Não havia se passado sequer uma semana quando elas receberam a visita do avô Osvaldo. Mal chegou, ele enfiou a mão no bolso e tirou uma nota de dez reais para cada neta. Disse que era para elas comprarem um docinho, quando quisessem.

Os olhinhos das meninas brilharam. Imediatamente, Gabriela guardou seus dez reais; mas Marcela apenas os enfiou no bolso da blusa. Mais tarde, naquele mesmo dia, quando foi ao supermercado com a mamãe, Marcela resolveu gastar seu dinheiro com balas de goma e cartelas de adesivos. Lá se foi o dinheiro dado pelo vovô.

Dois dias depois, a tia Lúcia Helena convidou as meninas para tomar uma grande taça de sorvete.

– Se eu tomar só uma bolinha de sorvete, você me dá o restante do dinheiro que eu gastaria se tomasse uma taça? – negociou Gabriela.

A tia topou e ela embolsou mais uns trocados. Mas Marcela tomou sua banana-split e não enbolsou dinheiro algum.

E as meninas continuaram assim: Gabriela poupando o que podia para comprar seu celular e Marcela guardando um ou outro dinheirinho, sem resistir muito à tentação de gastar quando lhe aparecia essa oportunidade.

Meses depois, Gabriela anunciou ao papai que achava ter todo o dinheiro necessário para comprar seu celular.

– E você, Marcela? – quis saber o pai.

– Não sei. Preciso ver – respondeu a menina correndo para o quarto e começando a contar o dinheiro que possuía.

Poucos minutos depois, ela voltou dizendo que tinha apenas R$ 27. Não daria para comprar o celular com tão pouco dinheiro. Mas Gabriela tinha toda a quantia necessária e, por isso, naquela mesma semana, ela e o pai foram até uma das lojas de celulares da cidade e escolheram um modelo muito bonito e com muitas funções – muito mais moderno do que o que ela havia planejado inicialmente.

Marcela teve que se conformar sem celular, mas aprendeu que dinheiro é um item difícil de ser conseguido e, portanto, deve ser usado com muita sabedoria e cuidado.

O rei do lanche
O rei do lanche

Para Caio, o momento mais esperado do dia era a hora do recreio. E não pense que era por causa das brincadeiras com os amigos. Caio era o rei do lanche e só vivia pensando em comida. Sua lancheira era recheada de guloseimas: salgadinhos, chocolates, refrigerantes, sanduíches… E ele comia tudo sozinho, sem dividir com ninguém.

Tão empanturrado Caio ficava que, quando chegava em casa, nem tinha vontade de almoçar. Nas raras vezes em que colocava o garfo na boca, exigia sempre o mesmo – muitas batatas fritas e sorvete de sobremesa. Dos legumes, verduras e frutas – chamados, por ele, de “coisas verdes” –, ele queria distância.

À tarde, a diversão estava garantida com o computador, a televisão e seus “fiéis escudeiros” – pipoca, bala e brigadeiro. Desse jeito, nem sobrava espaço
para o jantar.

Caio estava feliz assim, mas sua mãe não. Dona Cíntia sabia que seus colegas o chamavam de “Bolão”, de tão gordo que ele estava. Pensando nisso, ela decidiu que já estava na hora de acabar com aquele festival de guloseimas. E era pra já!

No dia seguinte, Caio ficou horrorizado ao abrir a lancheira. Fez uma cara tão feia que os amigos logo chegaram perto pra ver: era só uma pera e um suquinho.

– Comida! – gritou o “Bolão”, desesperado, com o estômago roncando igual a um trovão.

– Tire o olho do meu lanche – esbravejou a Mônica, quando viu o Caio espiando seu suculento sanduíche.

Como todas as crianças protegeram suas lancheiras, Caio resolveu se distrair jogando futebol. Já haviam se passado uns 20 minutos de jogo e a torcida pedia gol. Caio estava pronto para chutar, quando viu, no lugar do goleiro, uma imensa barra de chocolate. O estranho é que, de repente, todos os outros jogadores também se transformaram em chocolate. No meio de tanta confusão, o faminto jogador acabou perdendo a bola para o outro time, que venceu a partida.

Em casa, outro pesadelo. Caio chegou louco para comer, mas só encontrou arroz, feijão e “coisas verdes” no prato. Sem poder atacar a geladeira ou o armário, ele foi assistir à TV. O problema é que, não importava o canal, só aparecia comida. Não teve jeito. Acabou devorando o almoço “verde”.

Ainda bem, que o dia seguinte era sábado. Quem sabe sua mãe iria desistir daquela ideia maluca.
E ele chegou até a acreditar nisso.

– Hoje, é você quem vai montar o prato – afirmou Dona Cíntia, percebendo a satisfação
no rosto do filho.

Só que assim que Caio chegou à mesa, teve uma enorme decepção. As travessas estavam cheias de tudo o que ele não gostava.

– Se comer tudinho, deixo você escolher o que vamos comer no jantar – propôs a mãe.

– Fechado! – gritou Caio, sem hesitar.

No início, foi difícil enfrentar os “vilões” do seu prato, mas logo ele começou a inventar histórias na hora de comer, como a do Superbatata que lutou no mar de alface para salvar a Princesa Cenoura da prisão do terrível Brócolis.

Foi assim que Caio passou a comer de tudo um pouco. Com o tempo, o “Bolão” se transformou em “Magrão” e conquistou o título de melhor jogador de futebol da escola. O segredo para o sucesso: frutas, verduras e legumes todos os dias – mas sem cara feia.